Home

Castramóvel retoma atividades na capital

13 fevereiro 2019 Notícias


Há um ano, tiveram início os trabalhos do Castramóvel, uma clínica móvel que realiza esterilização de cães e gatos machos. O começo do serviço ocorreu após a lei 4.878, sancionada pelo prefeito Edvaldo Nogueira em abril de 2017. Da sanção ao efetivo princípio das castrações, foi um processo cuidadoso de análise e discussões entre a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) e entidades ligadas à proteção animal. Hoje, com o Castramóvel consolidado, os números positivos só crescem e a população, aos poucos, passa a compreender a necessidade e os benefícios da esterilização dos cães e gatos.

O primeiro bairro a receber o veículo foi o Santa Maria, em seguida, o bairro Santos Dumont, e o último foi o Bugio. “Os bairros são escolhidos de acordo com os dados da última campanha antirrábica, então, são bairros com grande quantidade de animais vacinados, e também através do perfil epidemiológico do local, ou seja, são bairros que têm ocorrência de transmissão de zoonoses, principalmente a leishmaniose visceral humana (ou calazar). O grande objetivo é justamente o controle populacional para se ter o controle de zoonoses”, explicou a gerente do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Marina Sena”.

De acordo com Marina Sena, como era uma novidade, no primeiro momento, no bairro Santa Maria, a população teve mais curiosidade sobre como funcionava o Castramóvel. “Como não era um serviço conhecido, tivemos um número grande de absenteísmo, mas, isso foi regularizado com o tempo. No Bugio, por exemplo, a procura foi grande e, temos certeza, na próxima parada será ainda mais proveitoso”, afirmou a gerente do CCZ.
Do início do serviço até hoje, foram cadastrados 451 animais, entre cães e gatos, sendo que, 241 estavam aptos para a castração e passaram pela cirurgia, que, em todos os casos, foi bem-sucedida. “No Bugio, tivemos o número mais expressivo. Acredito que muito se deve à disseminação do Castramóvel. Quando a notícia positiva chega, as pessoas passam a se interessar mais. Além disso, quando chegamos a cada bairro, fazemos questão de explicar como é feito todo o procedimento e o porquê ele é tão benéfico”, ressaltou Marina.

No último mês de dezembro, o Castramóvel recebeu novos materiais, o que vai possibilitar o aumento de cirurgias. Antes, a unidade itinerante fazia cerca de dez procedimentos por semana, a partir de agora passa a realizar 30 no mesmo período. “Recebemos instrumentais cirúrgicos, máquina de tosa e mais dois colchões térmicos, que ajudarão os animais a despertarem mais rapidamente após a castração. Assim, nossa capacidade de oferta do serviço aumentará em cada bairro contemplado”, frisou a gerente.

Um mês antes de chegar a cada bairro, a informação é divulgada para dar tempo de cada comunidade se organizar e a população se inteirar do que é necessário para realizar o procedimento. O próximo local a receber o Castramóvel será o Bairro América. Nos dias 28 de fevereiro e 1º de março, serão realizados os cadastros. “No dia 28, estaremos na unidade de Saúde Adel Nunes e, no dia 1º, na Joaldo Barbosa, a partir das 7h. Nosso intuito é começar as consultas no dia 11 de março e realizar as cirurgias já no dia seguinte naqueles animais que estiverem aptos”, detalhou Marina.

Para ter acesso ao serviço é preciso que os animais estejam vacinados, vermifugados, dentro do peso ideal e livre de doenças que possam comprometer alguma etapa do processo. A verificação é importante para garantir que os animais passem pelas cirurgias e anestesias sem problemas, e tenham uma boa recuperação.

Além disso, é preciso estar atento a todas as normas do projeto, que são: o responsável pelo animal deve ter renda de até 1,5 salário mínimo; cada família poderá cadastrar até cinco animais; os cães e gatos devem ter idade entre cinco meses e oito anos de idade; apenas os machos serão esterilizados; animais comunitários, que vivem em locais públicos, poderão ser esterilizados, desde que alguém se responsabilize e tenha um lar temporário para a recuperação pós-cirúrgica; animais de ONGs cadastradas no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) poderão ser castrados, conforme programação específica.

Fonte: Jornal da Cidade


Compartilhar